Tchau

por eduardopmorris

Estávamos na casa da minha avó, todos juntos e festejando o ano novo, tocaram as mesmas musicas que tocavam todo ano, meus tios e tias beberam muito, os primos ficaram acordados até onde agüentavam e os mais novos como sempre não agüentaram nem a novela das 8 terminar, eu tentava como sempre acompanhar os primos maiores e esse ano eu estava determinado a só ir dormir depois da meia-noite. A festa de ano novo era uma das poucas festas que juntavam a família toda, pelo menos enquanto meu avô e avó estavam vivos.

Naquele ano consegui cumprir minha meta e ainda estava acordadão no momento da contagem regressiva, mas uma coisa estranha aconteceu aquela noite, de repente meus pais simplesmente decidiram ir embora, juntamos tudo que era nosso, entramos no carro e voltamos pra casa. Eram uns 5 minutos de carro, mas meu irmão dormiu no caminho e meus pais não trocaram uma única palavra durante o percurso todo, ao chegarmos em casa, meu pai levou meu irmão pra cama e minha mãe me preparou pra dormir, depois que deitamos minha mãe apagou a luz e fechou a porta do quarto, coisa que não era normal dela fazer, como eu não estava dormindo e estranhei o fato dela ter fechado a porta, fui até a porta pra ver se ouvia alguma coisa, não consegui ouvir muita coisa, mas dava pra notar que o tom de voz dos meus pais era mais áspero do que o normal, a única coisa que consegui ouvir foi meu pai falando mais alto: “… então vou embora …”, na hora sai correndo do quarto e quando vi meu pai já passava pela pela porta e se encaminhava pra sair do predio, minha mãe ainda tentou me segurar, mas passei correndo por ela e fui atrás do meu pai, quando ele me viu atras dele, parou de andar e me pegou no colo, lembro que eu chorava no colo dele e pedia: “Pai por favor, não vai embora, por favor! Por mim”, meu pai voltou pra dentro do apartamento comigo no colo e me colocou no chão, e minha mãe que ainda estava brava com meu pai, disse: “Philip, se você estiver voltando só por causa do Eduardo, você pode voltar por onde acabou de entrar!”. Minha mãe me pegou no colo, me deu um beijo e disse: “Meu filho, pode deixar que o papai e a mamãe vão conversar, agora vai pra sua cama e pode dormir tranqüilo.”, me deu um beijo na testa e me colocou novamente na cama, quando eu choro muito costumo dormir mais rápido, não sei se é assim com todo mundo, mas comigo é!

Depois que meu pai saiu de casa a lembrança mais forte que tenho foi a conversa que tivemos antes do retorno dele pra Inglaterra, neste dia ele teve uma conversa séria conosco, repetiu algumas coisas que ele já tinha nos falado, como a questão de fazermos sempre amizades e darmos valor aos amigos que encontrarmos pela nossa vida, uma outra coisa que ele nos disse é que estudar é sim muito importante, mas tinha algo que era muito mais importante, ele usou uma palavra que só foi fazer sentido muitos anos depois, empreendedorismo, que na explicação dele era o seguinte: uma pessoa que faz coisas novas sem medo de errar, é uma explicação muito resumida, mas pra uma criança de 11 anos e outra de 13 está de excelente tamanho e teve um momento que ele disse:

– E o que eu posso ensinar de mais importante pra vocês dois é o seguinte, isso daqui – e levantou o cartão de credito no alto – é a falência de qualquer pessoa. Corram disso como o diabo corre da cruz.

Esse último papo aconteceu na beira da praia enquanto comíamos um hambúrguer, ele conversou mais coisa conosco, mas sinceramente, não lembro!

No dia que ele viajou, fomos no aeroporto com um de nossos tios que foi dirigindo, nesse dia ele não conversou nada conosco, só nos disse que sempre estaríamos com ele, onde quer que ele ou nós fossemos, foi a primeira vez que fui em um aeroporto, nos anos seguintes nos comunicávamos por carta e algumas vezes ele nos ligava, mas só voltamos a conversar com muita constância depois que a internet chegou no Brasil, primeiro com o IRC e email, depois pelo ICQ (que mantenho ate hoje) e outras formas de mensagem instantânea.

Infelizmente não segui os conselhos do meu pai e hoje estou aqui escrevendo este blog pra tentar evitar que meus cartões me levem a falência!

Anúncios