Fora da Lei

por eduardopmorris

Desde cedo ia pra escola sozinho, quer dizer, ia com meu irmão, mas ter como companhia responsável uma outra criança um ano e meio mais velho não pode ser considerado uma coisa segura, ainda mais quando tem que pegar ônibus e andar no centro da cidade de Vitória sozinho, mas isso não aconteceu com minha mãe nos colocando dentro do busão e nos deixando ir sozinhos.

Tínhamos uma empregada, que não gostava de ser chamada de empregada, ela dizia ser a ajudante de mi madre não uma empregada, pois então, Maria devia ter seus 18 anos e era bem bonita, eu era um moleque e tinha lá meus 7 anos e com ela minha inocência começaria a ruir. Certa vez estávamos eu e meu irmão vendo televisão e ela estava arrumando o miúdo apartamento onde morávamos, e quando ela terminou de arrumar tudo e fazer o almoço nos deu um grito que já estava quase na hora de tomarmos banho e nos arrumarmos pra ir pra escola, ficamos lá enrolando o máximo que podíamos, quando de repente ouvi ela cantando, mas a musica estava um pouco abafada e como não conseguia entender o que ela estava cantando levantei do sofá e fui atrás pra ver onde ela estava, quando estava indo pra cozinha passei na frente do banheiro e notei que o som vinha lá de dentro, nunca tinha feito isso na minha vida, mas por um reflexo hetero-macho eu olhei pela fechadura pra ver se ela estava realmente lá dentro e vi uma cena que me fez ter uma das melhores sensações da minha curta vida, isso mesmo que você está pensando, ela estava tirando a roupa e pra minha extremíssima sorte ela estava retirando o sutiã naquele instante, fiquei ali olhando pela fechadura, sentindo uma sensação de aperto no estomago e minha respiração começou a ficar ofegante, foi a primeira vez que fiquei realmente com tesão, mesmo sem entender o que era tesão, fiquei com uma sensação de ansiedade fora do normal na hora que notei que ela estava tirando a calcinha, ao ver aqueles pelos da perereca (era assim que eu falava) dela endoidei e tomei um susto na hora que meu irmão me gritou pra ver o desenho dos SuperAmigos, no susto voltei correndo pra sala e disse que ia ficar um pouco deitado no quarto, pois estava com dor de barriga. Pra minha tristeza quando voltei pra porta do banheiro o chuveiro já estava ligado e Maria já estava dentro do Box, fora do alcance da minha vista. Juro que fiquei ali em pé esperando ela desligar o chuveiro, e torcendo pro meu irmão não inventar de ir ver se eu estava bem, aquele não era o momento de irmão mais velho querer cuidar do caçula, pareceu uma eternidade, mas o chuveiro foi desligado, e fiquei ansioso de pensar em ver novamente Maria nua, quando ela saiu com a cabeça enrolada na toalha meu coração disparou novamente e fiquei dali reparando no corpo bonito de Maria, mesmo com 7 anos é impressionante o instinto masculino, minha vontade era de entrar e pegar naquele corpo todo, sem putaria, afinal a inocência ainda imperava. Fiquei ali admirando Maria se enxugar, esfregando aquela toalha no corpo todo e depois se vestindo, e quase fui pego, pois quando dei por mim ela estava penteando o cabelo e já estava se preparando pra sair, nessa hora sai correndo pro meu quarto e deitei na cama. Quando ela saiu do banheiro, já deu logo um berro pra irmos tomar banho, meu irmão tomou o banho dele primeiro e logo depois fui eu, tomei meu banho só pensando no que havia visto minutos atrás, me troquei pensando na Maria e almocei pensando na Maria, talvez isso tenha ocorrido cedo demais na minha vida, pois depois daquilo não prestei mais atenção nas meninas da minha idade, ficava olhando as mulheres adultas e imaginando como seriam elas sem roupa, pois pra mim seriam todas como a Maria e esse modo de olhar só não se aplicava a minha mãe, porque mãe não é mulher, mãe é mãe!!!!!

Naquele dia fiquei mais bobão do que o normal, enquanto Maria nos levava pra pegar o ônibus, ficava olhando pra bunda dela e quando estávamos esperando o ônibus no ponto olhava pros seios dela, minha vontade era de pedir pra ela me mostrar novamente, mas não sei como, eu sabia que aquilo era errado, talvez pelo fato de não ver mulheres mostrando peito na rua a torto e a direita. Dentro do ônibus foi quase um momento de gloria, pois sentávamos os 3 no mesmo banco e com isso fiquei a praticamente 1 palmo do seio de Maria, só parei de olhar quando ela me perguntou o que eu tinha? Que eu parecia estar meio avoado, e meu irmão na hora disse que eu estava com dor de barriga em casa, no mesmo instante baixei a cabeça e assim fiquei até chegarmos no nosso ponto. Quando chegamos lá aconteceu o que normalmente acontecia, Maria desceu do ônibus conosco e nos disse que dali já poderíamos ir sozinhos.

Pra quem conhece Vitória, andar da Praça 8 até a Catedral não é o caminho mais recomendado do mundo pra 2 crianças fazerem sozinhos, pensando em uma distância, seriam coisa de 800 metros andando sozinhos no centro de Vitória, tendo que subir escadarias até chegarmos no nosso destino. Um dia antes, fazendo este mesmo percurso, lembro de ter visto alguns meninos de rua, pegando papeis que ficavam pregados no vidro dianteiro dos carros e fazendo aviãozinho, como eu gostava de fazer aviãozinho, mas não podia arrancar as folhas do meu caderno, decidi pegar aqueles papeis também, afinal de contas se os meninos de rua podiam, eu também podia. Sai pegando todos os papeis naquele dia, se dependesse de mim, os meninos de rua não iam fazer aviãozinho naquele dia, meu irmão ainda perguntou o que eu estava fazendo e respondi prontamente: “Pegando papel pra fazer avião.”. Eram vários papeis coloridos, alguns deles vinham um verde e um vermelho juntos e muitos brancos com fotos de pessoas. Quando cheguei na escola e entrei na sala de aula, já chamei os meninos pra mostrar a quantidade de papel que eu tinha conseguido pra podermos fazer aviões, ficamos lá olhando as fotos nos papeis, Tonin comentou que aqueles seriam os prefeitos da cidade e eu não dei a mínima, pois não sabia que porra era aquela de prefeito da cidade. Lembram do felá que saiu no braço comigo na sala e eu tive que sentar o dente pra me defender? Pois bem, desde aquele incidente ele não chegava perto de mim, e isso já tinha 1 ou 2 anos, naquele dia ele chegou perto da muvuca que estávamos fazendo e perguntou: “Quem trouxe esses papeis coloridos?”, todos apontaram pra mim evidentemente e eu olhei pra cara dele, meio que perguntando “e daí?”, sem me dar tempo pra abrir a boca ele já disse: “Você vai ser preso Pintinho!”, sem sombra de duvidas eu abri a boca mais rápido do que pensei, e levantei perguntando “Por que?”, ele veio com um papo que aqueles papeis verde e vermelho era multas que a policia colocava pra quem fazia coisa errada com o carro, e como eu tinha “roubado” as multas, eu estava fazendo coisas erradas e por isso a policia ia me prender. Juro que minha alma gelou e talvez nem minhas memórias com o corpo nu de Maria poderiam esquentar meu corpo novamente, eu achava que tinha noção do que era ser preso, e não era coisa boa, não era mesmo!!!! Aí ele veio com um papo besta, dizendo para eu não me preocupar, pois o pai dele era advogado e que ele iria conversar com ele pra poder me defender. Não entendia o que era prefeito, multa e advogado, e do que ele me defenderia, mas fazer coisa errada e ser preso, eu entendia. O puto conseguiu acabar com o meu dia, nem da Maria eu lembrei mais naquele dia.

Quando nosso pai foi nos buscar, contei pra ele do ocorrido e ele começou a rir, não achei graça nenhum em ser preso, mas meu pai me explicou que realmente era muito errado pegar multas de carro, já os papeis com as caras dos prefeitos eu poderia pegar sem problemas e os donos dos carros até me agradeceriam por isso, mas tinha que prestar atenção no que era multa, pois se um policial me visse fazendo isso ele iria brigar muito comigo e mais ainda com ele e a mamãe, mas que não me prenderia. Quando chegamos em casa minha mãe não se ligou muito no fato das multas, ela se ligou em outro acontecido, Maria não nos levava até a porta da escola e por isso ela teria que ter uma conversa séria sobre isso, não tinha a mínima idéia do que era a conversa séria com Maria, a única coisa que eu esperava acontecer no próximo dia, era o banho da Maria. Mas o mais interessante disso tudo é que nos dias seguintes a Maria não tomou mais banho antes de nos levar até a porta da escola e nunca mais vi o corpo nu dela, só o guardo ate hoje na minha memória.

Anúncios